Quando eu fiz minha lista de casamento coloquei todos os tipos de apetrechos. Só de escorredor de macarrão e variáveis eu ganhei 3.

Quando chega a hora de decidir o que vai ser trocado e o que fica você tem que acabar priorizando a funcionalidade X o espaço que você tem para guardar as coisas. Pois bem. Dos três eu decidi ficar com uma panela alta, que tem a tampa furadinha, igualzinha a esta:

Escolhi ela pela funcionalidade de me deixar preparar também outras coisas, por ser uma panela também e por ser fácil de usar: você segura  tampa fechada, vira a panela de cabeça pra baixo e escorre a água.

Facinho, né? Pois bem. É super fácil até você precisar realmente fazê-lo. Tive duas tentativas:

1) Sozinha com maridão em casa

O macarrão estava super no ponto. Peguei minhas super luvinhas e parti pra cima da panela. A sorte foi que, pra garantir, coloquei uma super peneira de silicone que eu tenho dentro da pia porque eu sabia que podia dar merda. E deu. Assim que eu virei a panela eu não consegui segurar direito a tampa e o macarrão caiu todinho dentro da peneira. Mas ok. Estava limpinha e toda a água escorreu. O maridão nem ficou sabendo.

2) Eu, Maridão, Cunha e Cunho em casa. As primeiras visitas para quem eu realmente cozinhei (sentiu o drama, né?)

Fiz um super molho de Chili, bem apimentadinho e fui tirar o Penne da panela. Todos estavam na sala conversando (que é imediatamente grudada na cozinha, devido à ampla disposição do nosso apartamento de 60 metros).

Desta vez eu já sabia que a panela podia me enganar. Por isso fui preparada e com mais “força” para segurar a tampa. Só esqueci da peneira, mas estava tudo sob controle. Eu tinha o meu plano bolado: “vou escorrer a água bem devagarinho sem virar muito a panela. Quando estiver no finalzinho eu viro um pouco mais e pronto”.

Todos na sala conversando, ninguém prestando atenção e mim e eu fui. O plano foi executado com perfeição, exceto pela “viradinha” no final. Eu consegui escorrer 95% da água da panela e quando fui dar a “viradinha” meu macarrão foi inteirinho pra pia!

Eu, como não esperava aquilo, não me aguentei e soltei um modesto “Ugh” que fez com que os três estivessem na cozinha no instante seguinte e dando risada da minha cara.

Meu Cunho no mesmo instante em que chegou já me ajudou a salvar o macarrão (a pia estava limpa, ok?). Demos aquela lavadinha básica, com bastante água, colocamos na panela com o molho e mandamos ver. Conseguimos salvar o suficiente para jantarmos e repetirmos o prato – ficou muito bom!

Neste dia decidi que, por mais que a gente não tenha espaço, em alguns pontos não vale à pena fugir do tradicional e passar carão na frente das visitas!

E não tive dúvidas: parti no dia seguinte atrás de um escorredor de macarrão decente. 🙂

Anúncios