O momento mais crucial de toda noiva é escolher o seu vestido de casamento.

Eu sou um pouquinho ansiosa só e escolhi o meu em janeiro – para casar em agosto!!! Mas a busca não foi fácil.

Desde o começo eu sabia que eu queria alugar ao invés de comprar. Imagina em um apartamento pequeno onde eu ia guardar um vestido de noiva????

Primeiro que foram meses e meses de preparação recortando revistas e mais revistas com tudo o que eu gostava. Já tinha uma pasta de 3 kilos de recortes, mas continuava recortando…E o vestido que eu mais gostei já estava escolhido.

Achei ele numa revista, achei o nome da loja, telefonei, mandei email pra marcar horário e NADA! Quando me enchi o saco, fui de carro até o local e a loja tinha fechado! Foi frustrante e me fez voltar para a pilha de recortes. Aos poucos fui percebendo o estilo do que eu queria e só depois eu resolvi ir às lojas para a seção sem fim de exprimentar vestidos.

Fui num atelier lindo na Alameda Campinhas, e carésimo também. Fui na Nova Noiva (Basicão) e me senti, literalmente um bolo de noiva – além de pesados os vestidos são estranhos e os vendedores te pressionam para fechar na hora. Fui na Black Tie e saí correndo quando vi os preços de primeiro aluguel – dos vestidos que eu gostei variava de R$6.500 a R$18.000 (pasmem!!! com esta grana eu fazia um vestido lindo lá no atelier da Alameda Campinas). Foi um sábado infernal com a Mamuska e além de cansativo foi um tédio porque eu não gostei de nada.

Um dia, durante a semana, saí correndo e fui em uma loja linda na Rua dos Pinheiros. Chamei duas amigas pra irem junto dar palpite, já que a Mamuska não podia ir, e o processo se repetiu: você chega e dá de cara com pilhas de fotografias. A pessoa que te atende marca todos que você gostou, pede pra você esperar um pouquinho e volta com tooooodos os vestidos pra você ir até uma salinha experimentar.

A salinha, neste caso, era de pelúcia rosa choque e com músicas bem de casamento tocando, tipo “Everlasting Love” e “This is your song”. Aí começa o clima para você se sentir a pessoa mais especial daquele momento. Tinham espelhos em 3 paredes e uma passarela para você caminhar e “sentir” o vestido.

Antes de experimentar o primeiro, arrumam o seu cabelo pra ficar bem no clima mesmo (só faltou a maquiagem). O primeiro vestido que eu experimentei era bem modernão, com umas pontas soltas na saia. Lindo. O segundo era de rendinhas e cristais (não muito a minha cara para quem me conhece), mas também era lindo. O terceiro era um pouco mais simples que o primeiro, mas cheio de estilo.

Mas foi pelo quarto vestido que eu me apaixonei. Branco, básico, sequinho e maravilhoso – e com um super espartilho. 🙂 E parece brincadeira, mas quando você finalmente acha, você sente. O coração bate mais forte e você se imagina no dia mais feliz da sua vida com aquela roupa. Confesso que tive uma semi-dúvida entre ser uma noiva clássica com o segundo vestido ou ser uma noiva EU com o quarto. Preferi ser uma noiva eu. O meu estilo, a minha cara.

Obs: Vestido (e foto) da Belle Sposa – Maggie Sottero (muito chique, meu vestido veio da Austrália!!!)

Anúncios