Ahh. Juro que não aguentei! Dusty, um aventureiro, é um gato cleptomaníaco?

Dusty é um gatinho fofo e o terror da vizinhança: ele rouba as coisas dos vizinhos pra dar de presente pro papai e pra mamãe dele. Ele sai de casa à noite e de manhã sua mamãe encontra diversos itens da vizinhança na sua casa. Diz um vídeo no Youtube que ele já “afanou” mais de 600 itens.

É estranho e roubar não é legal, mas vindo de um animalzinho, é fofo!

Sim…Eu vejo todos os videos de gatos que existem pra matar a saudade da minha Tinoca. 🙂

Acho que hoje em dia nada mais deselegante do que uma noiva que atrasa.

Pior ainda é ser a noiva depois da noiva que atrasa, como no meu caso.

Vi esta matéria no G1 e concordei 100%. Concordo não só porque fui prejudicada, mas por que acho uma suuuper falta de respeito com os convidados. Eu sou meio neurótica com horário – se marquei uma hora com você, estarei lá sempre 10 ou 15 minutos antes, e fico bem brava quando não cumprem horário comigo.

Meu casamento estava marcado para as 8 horas e a noiva das 7 atrasou 45 minutos – bem feito pros convidados e padrinhos dela: as 7 em ponto o padre fez a cerimônia começar com entrada dos noivos, música, padrinhos e tudo mais (vale dizer que o Maluf era um dos padrinhos!!!). Todos ficaram plantados no altar os 45 minutos esperando ela chegar… Ela chegou com quase metade dos meus convidados já na Igreja, esperando do lado de fora.

Para os homens não foi assiiiim um problema, já que tinha um buteco lá perto que o Maridão usou pra tomar uma pinguinha e relaxar, mas pras mulheres é sacanagem – você tá toda bonitona, arrumadona, de salto alto, e tem que ficar esperando? Sacanagem, né?

O casamento dela passou e quando ela saiu todos os meus convidados já estavam na porta esperando e rolou até um burburinho, segundo minhas fontes. 🙂

Quando fiquei sabendo, já estava no caminho para a Igreja. A solução foi ficar dando volta de carro perto da Igreja. Até parar no posto para o pai da noiva fazer um pips e controlar a ansiedade paramos.

O nosso casamento começou quase as 9 horas. 😦 Ou seja: ela ferrou todo o esquema do meu casamento – horário do jantar, coquetel, DJ, banda.

Por isso resolvi fazer o post. Não que a multa da Igreja ou do Padre fosse fazer alguma diferença na minha vida, mas acho que por todos os transtornos que um atrasinho pode causar, por falta de pensar no próximo e por não respeitar um compromisso que você assumiu não só com seus convidados, mas com as outras noivas, tem que ter multa sim!

 

Relâmpago

Sim….Anda chovendo pra caramba aqui em São Paulo. Com as chuvas vem os raios, relâmpagos e os roteadores queimados.

Cheguei em casa, acessei meus emails numa boa, saímos comer pra comemorar o Valentine´s Day. No meio do jantar a luz piscou duas vezes…Super romântico pra um jantar de semi Dia dos Namorados, mas…. Foi daquelas piscadas bem fortes (do tipo que aciona a luz de emergência do restaurante, sabe?). Como o restaurante é do lado de casa, eu e o maridão nos olhamos com a suspeita de termos que subir os andares do prédio pela escada para chegar até o apê.

Com uma chuva torrencial lá fora, esperamos mais um pouquinho e partimos, correndo na chuva. Quando chegamos no apê, a luz já tinha voltado. Eu, obviamente, quis ir pelo elevador. O Maridão ficou desconfiado mais foi e ainda me ameaçou na subida: “Se ficarmos parados aqui, a culpa será todinha sua, tá entendendo?”. Só respirou aliviado depois que a porta do elevador abriu.

Chegamos de novo em casa, BBB quase no ar (sim, BBB – todo mundo tem seus defeitos), e o maridão precisava mandar um email. Ooops. Cadê a internet wi-fi? Pois bem…Nosso roteador é daqueles bem bons, mas não resistiu. Ou seja: voltamos para a era da Internet com cabo plugado no computador – o que não é nada legal se você tem um laptop em casa.

Por esta e outras, vou sumir um pouquinho e voltar a postar assim que der e o Wi-fi permitir. Se vocês sentirem minha falta, culpem São Pedro. 🙂

Seria mais ou menos assim!

Só pra alegrar e desejar bom final de semana! 🙂

Ahhh….. Um mais lindo que o outro.

Adoro que a Fabi, do Espaço das Moçoilas, foi quem postou. Um blog que não é de casamentos, mas sim de moçoilas muito bem antenadas, não podia deixar esta novidade da Vera Wang passar, né? Eu copiei na caruda, Fabi!!!!

Babei em todos… 🙂

Ps: deixei o texto original da Fabi porque amo o jeito que ela escreve,

“a estilista mais almejada por 99% das noivas do mundo inteiro fechou uma parceria com a David’s Bridal, uma mega loja americana especializada no assunto, onde a moçoila terá uma linha própria de vestidos e acessórios chamadaWhite by Vera Wang a preços super possíveis – dentre 600 a 1500 dólares!!!

os tecidos utilizados serão o tafetá, renda, tule, cetim, organza, chiffon, etc e, as cores serão o off-white, marfim, champanhe e blush (um rosinha meio pêssego); de acessórios, a linha terá cintos, tiaras de cristal adornadas, véus de tule, cintos com cristais e florais e presilhas de cabelos.

a coleção será lançada agora, dia 11 de fevereiro, nas 150 lojas da rede! saibam mais neste site aqui ;]

quem mais se empolgou pra casar tipo já? ♥”

Eu sou apaixonada por batata frita. Amo amo amo de paixão e de qualquer jeito. Molenguinha, crocante, fininha, grandinha, com molho, sem molho, com bacon, sem bacon. Hum…Deu até água na boca. 🙂

Aí estes dias eu e o maridão fomos no mercado comprar uns quitutes para passar o final de semana na casa dos meus pais (eles tinham ido viajar). Compramos um hamburguer delícia (que terá um post dedicado) e pra acompanhar, obviamente, eu queria batatas fritas.

Mas vamos combinar que fazer batata frita dá um mega trabalho? Só o que espalha de óleo, eu prefiro não arriscar. Aí fui fuçar na parte de congelados do mercado para pegar um pacotinho de batatas congeladas e tentar fazer no forno, e achei a Batata Frita para Forno. Genial!!!

Pelo custo benefício (leia-se óleo espalhado por todo lado), não achei tão cara assim. Custa R$4,99 no Pão de Açucar. E, eu não li o saquinho todo, mas pelo que entendi do esquema é uma batata frita (frita mesmo) que é congelada. Você coloca ela no forno, deixa uns 20 minutos até dourar e voilá: batatas fritas em casa e sem sujeira!

Ah…Mas vale falar também que ela não fica como uma batata frita literamente, mas pra não fazer sujeira em casa e acompanhar um hamburguer, quebra um super galho!

O Maridão que me mostrou este conto. Confesso que bateu uma raivinha porque eu compro cerveja toda semana, porque eu não sou viciada em novela e eu comeria pizza de segunda numa boa! 🙂 Mas achei o conto realmente muito bom e resolvi postar. Melhor ainda é que ele é curtinho e fácil de ler. Quem escreveu foi o Fubim, amigo do maridão.

Enjoy e fiquem de olho nos maridões/namorados/etc.

“O Casamento” – Por Fábio Romeiro.

“Orgulhoso, Gilberto revezava o olhar entre seus três filhos sentados pela sua sala. Não conseguia esconder um sorriso de dever cumprido ao observá-los. Tinham se tornado jovens adultos de caráter, trabalhadores e principalmente, pessoas de bem. Era isso. Aos 56 anos, tinha a feliz certeza de ter colocado no mundo pessoas de bem.

Mas aquela reunião de família não era para lamber cria. Tinha um propósito claro, um mistério o qual os três filhos aguardavam ansiosamente sua revelação: um inusitado convite “para uma conversa” em plena terça a noite.

E seguido do tintilhar da xícara no pires, ele anunciou.

– Bom crianças. Vamos direto ao ponto: vou me casar.

Silêncio. Sobrancelhas franzidas. Primeiro a digerir a informação, o caçula Pedro Henrique expressou sua surpresa com o estalar dos ovos que pisava.

– Puxa pai… Que ótimo! Já faz tanto que você e a mãe se separaram mesmo. Acho legal mesmo, de verdade. Mas…

– Mas com quem?? Você nem namora pai! – como um vulcão, a pergunta irrompeu de uma perplexa Mariana, filha do meio.

Com um sorriso maroto, o primogênito Felipe completou, orgulhoso:

– É a tia Regina né pai? Sempre suspeitei do que vi em Ilha Bela aquela vez. Tinha 11 anos mas não esqueço! Sempre suspeitei, seu malandro…

Gilberto escutava seus filhos com um sorriso sereno. E sem tirá-lo do rosto, continuou:

– Vou me casar com o Carlão, meu amigo do clube.

O sorriso maroto de Felipe se transformou numa expressão de choque. Atônito, o queixo de Pedro Henrique desmanchou no seu peito, sem vida. Se descontasse os olhos arregalados e a cor branco-sulfite de seu rosto, seria possível dizer que Mari era a menos impressionada. E logo perguntou:

– Pai, você é viado?

O patriarca suspirou serenidade. Já esperava por tal fatídica pergunta. Respondeu com a tranquilidade de um Dalai Lama, certo de sua decisão.

– Não filha, não sou. Sou hétero, como sempre fui. – respirou fundo, e continuou. – Acontece que nos últimos anos vinha me sentindo muito sozinho. Essa casa grande, vocês seguindo suas vidas… E queria uma companheira.

– Companheira pai! Companheira! Não um tiozão do clube! – Pelo ângulo de arqueamento de suas sobrancelhas, Felipe entregava seu desespero.

Mas somente com o olhar, Gilberto pediu calma. Continuou:

– Mas a experiência que tive com sua mãe e todas que seguiram dela só me mostraram que a convivência com uma mulher é insustentável. Vocês me conhecem, sou engenheiro, racional em tudo. E salvo o fator “sexo” e “carinho”, meu casamento com o Carlão tem tudo pra dar certo.

Os três se entreolharam. Esperança de ser uma pegadinha. Ou uma piada besta de um pai que nunca foi de muita graça.

– Me escutem e verão como faz sentido. Casado com Carlão terei todas as vantagens de um matrimônio feliz. O que nunca tive com sua mãe ou mulher nenhuma na minha vida. Poderei deixar cuecas pela sala. Esquecer datas e a existência da TPM. Comer pizza com cerveja numa segunda por que é bom e meu colesterol respeita isso.

– Pai, você enlouqueceu! O que vão falar na família, no seu trabalho?

Gilberto se animou. As perguntas só lhe davam mais certeza da sua escolha.

– Vão falar que nunca estive tão sensato na minha vida! Você fala de trabalho. Pois então. Esses dias cheguei em casa bêbado, cantarolante e com um perfume doce na gola da camisa. Errei, confesso. Sabe o que o Carlão fez? Sabem??

– Não pai, não sei. – Desconsolado, o primogênito só respondia com as mãos no rosto.

– Ele simplesmente me olhou, sorriu e disse: “era boa?”. “ERA BOA?”. Nada de pratos voando, noites na dureza do sofá, nada!

– Mas pai, então você quer um amigo. É isso! Só um amigo, um roomate.

– Não Mari. Quero um esposo. Alguém para chamar de meu. Para me receber em casa depois de um dia cheio com uma long neck gelada e comentários pertinentes sobre a última rodada. Reclamações? Só sobre o frangueiro do goleiro.

A cada resposta, Gilberto se empolgava ainda mais com seu plano perfeito.

– A TV não conhecerá uma novela. Dane-se quem matou quem! Na nossa casa, a louça poderá sim repousar feliz na pia por uns dias. Meu carro não aparecerá ralado, não existirão cremes além do de barbear na pia. E por falar de pia e banheiro, a tampa estará sempre levantada. Sem broncas. Sem cobranças. Sem…

Pai! – o caçula perdera a paciência – Olha aqui. Se você não se descobriu gay, o que aliás aceitamos numa boa, você enlouqueceu. Ficou velho e maluco! Simples assim.

– Bom, pelo visto vocês não entenderam nada do que eu disse. E se não quiserem também, tudo bem.

Gilberto se levantou, entre orgulhoso e decidido.

– Eu vou embora. Podem ficar a vontade, a casa é de vocês. Mas eu tenho um compromisso. Combinamos há semanas de assistir a semi-final da Champions League e não posso me atrasar para o começo do jogo.”

🙂

Oi? É a versão literal do vestido Bolo de Noiva! Criação do chef de cozinha colombiano Juan Manuel Barrientos. 🙂

Para variar, peguei no Marketing na Cozinha, que eu adoro!

Quem nunca pensou em jogar tudo pro alto, toda a ansiedade, os preparativos e os custos e sair correndo para Las Vegas pra casar logo?

Ahh. Fala sério. Chega uma hora que a loucura do casamento é tanta que você enlouquece e quer sair correndo, sumir e pular toda essa parte. É daí que vem o termo Bridezilla! Todas nós, casadas, já fomos bridezillas um dia. E quem ainda não casou ou está em vias de, prepare-se: você se tornará uma!

Em Vegas, um dos lugares mais “tiradores de fôlego” do mundo, é facinho casar. Basta pagar, babe!

Você pode casar express no ” “Say I Do” Wedding Drive Thru”, você pode casar com o Padre Elvis ou com um padre Alien. Tem dentro do Casino Paris, no topo do Stratosphere ou ir de helicóptero pro Grand Canyon e casar por lá mesmo. Vale o quanto o seu dinheiro e gosto permitir. 🙂

Confesso que quando fui pra lá com o maridão, ainda como namorados, deu vontade de fazer uma mini-loucura e casar. Poxa…What happens in Vegas, stays in Vegas, não? Não…Daniela Cicarelli nos ensinou que não. Aí pensamos nas famílias, nos amigos e em todo mundo que deveria estar com a gente no momento especial.

Mas este post é mesmo pra dizer que ser bridezilla vale à pena…É por isso que eu falo e repito pra quem quiser ouvir: faria tudo de novo, várias vezes na vida, mas sempre com o Maridão! 🙂

Ps: O “Say I Do” Wedding Drive Thru é de verdade!!!!! Quem sabe eu e o maridão não casamos lá um dia!

Confesso que ainda não testei nenhum deles, mas aposto que ficam uma delícia com uma batatinha frita! 🙂

O Barbecue (ou BBQ como falam nos EUA) combina perfeitamente com a Ribs on The Barbie que a Fê colocou lá no Sushi com Macarrão!

Molho Barbecue (Receitinha da Cinara do Cinara’s Place)

– 2/3 xícara de catchup
– 2 colheres (sopa) de vinagre de maçã
– 1 1/2 colher (sopa) de molho inglês
– 1 1/2 colher (sopa) de açúcar
– Pouco menos de 1/2 xícara de água

Modo de Fazer: Misture tudo muito bem e use na receita de sua preferência. Segundo a Cinara, o molho fica bem líquido, porque ele engrossa no forno enquanto a carne assa. Se você quiser um molho mais consistente, não cloque tanta água, tá?

Receitinhas do Molho Especial do BigMac que a Cunha Thá me passou – garimpadas da Internet:

Molho especial 1
– 400 ml de leite
-2 colheres (sopa) de farinha de trigo
– 50 g de manteiga
-50 g de requeijão tipo cheddar (cremoso)
-4 colheres (sopa) de picles picadinhos
-3 colheres (sopa) de catchup
– 1 xícara (chá) de maionese

Modo de Fazer: Misture todos os ingredientes do molho especial e leve ao fogo baixo, refogue, mexendo sempre, até formar-se um creme laranja, depois deixe descansar na geladeira por um tempo.

Molho Especial 2
– 120ml de maionese
– 2 colheres de sopa de Frensh Dressing (o laranja) da Hellman’s
– 2 colheres de chá de relish doce de pepino (é isso que torna o molho especial…)
– 1 colher de sopa de cebola bem picadinha
– 1 colher de chá de vinagre de maçã
– 1 colher de chá de açúcar
– sal a gosto

Modo de fazer: Misture todos os ingredientes em uma vasilha e deixe tampado na geladeira por aproximadamente 8 horas mexendo a cada 2 horas para os sabores poderem misturar.

Ainda tô pra descobrir uma receita pro molho delícia que vem com a Aussie Fries do Outback. Se alguém tiver, me manda!!! 🙂

Quem sou eu?


aventurasdecasada@gmail.com

Se cadastre para receber as atualizações do blog por email! ;)

Junte-se a 57 outros seguidores