You are currently browsing the tag archive for the ‘arroz’ tag.

Eu já fiz um post aqui falando de como pastei no começo do casamento para chegar no Arroz Ideal e nos últimos tempos eu realmente consegui atingir um nível de excelência arrozístico. Eu e o maridão sempre comemos umas 3 garfadas só de arroz antes e começar a comer, porque ele fica bem bom mesmo.

Até esta semana…Não foi assim que eu fiz um arroz ruim, sabe? Eu só fiz um arroz marrom! Siiiiim! Marrom.

Acho que eu deixei o alho passar “um pouquinho” do ponto e ele ficou bem torradinho dentro da panela. Eu não percebi porque ela é de Teflon, coloquei o arroz e depois de colocar a água vi que estava estranho.

Não resisti e tirei foto…Mas olha: ficou normal e marrom…Deu até pra comer!

Eu não entendia como fazer uma coisa tão simples quanto arroz poderia ser complicado até decidir casar.

Dias antes do casamento, em um almoço de domingo na casa da minha sogra fomos aprender como fazer arroz. Ela explicou o passo a passo, eu e maridão obervando tudinho e “entendendo”.

Pois bem. Casamos, mudamos, fizemos mercado. Eis que chegou o dia do primeiro arroz. E do segundo, e do terceiro e do quarto.

O primeiro arroz ficou praticamente uma sopa, refletindo a minha ansiedade em tirá-lo do fogo para ver se estava bom. Obviamente neste dia eu já não lembrava mais nenhum passo do “how to do” que a minha sogra nos passou.

No segundo dia eu me contive um pouco mais e deixei ele mais um pouquinho no fogo. Ficou médio, posso dizer. Tinha alguma coisa estranha, mas que eu preferi não refletir a respeito.

O terceiro arroz ficou perfeito. Sequinho, cozido, soltinho, sem ficar muito papa no fundo, exceto por um pequeno detalhe: o sal. Eu fiz o arroz toda concentrada para acertar e esqueci de por a merda do sal. Como tenho um marido muito compreensivo e necessitado de sal no arroz, ele falou que estava ótimo e tascou sal no arroz. (Nota: sem sal ficava literalmente incomível).

No quarto arroz da vida de casado eu me dediquei: lembrei de tudo que eu tinha feito até então no arroz número 3, obviamente pegando o sal em primeiro de tudo. Põe água para ferver na chaleira, põe oléo na panela, coloca o alho picadinho, deixa dar uma fritadinha. Fritou? Coloca o arroz, mexe bem até sumir um pouco do brilho do óleo. Quando estiver “fritadinho”, completa com água fervendo, mexe bem e coloca o sal.

Como este tinha sido o meu erro no arroz anterior, me dediquei. Coloquei sal, experimentei, coloquei mais sal. Quando a água estava secando furei o arroz com o cabo da colher de pau, vi se tinha água no fundo, se estava sequinho e ele estava PERFEITO!!!!

“Maridão!!! Tá na mesa” (Os acompanhamentos estavam sendo feitos paralelamente, pois sou uma cozinheira multitarefas, viu?)

Ele admirou meu arroz. Se serviu com gosto. Arroz, brócolis e peito de frango.

Eis quando ele deu a fatídica primeira garfada. Para falar a verdade os dois deram a primeira garfada juntos. Eu, como cozinheira, me contive e perguntei o que ele tinha achado.

A resposta veio com gargalhadas (minhas e dele). Eu me dediquei tanto, mas tanto, que tinha mais sal do que arroz na panela. No medo de errar de novo acabei estrapolando horroooores no sal. Esqueci daquela provadinha básica que todo mundo dá na água que está cozinhando o arroz.

Apesar do sal com arroz, comemos muito bem. E tomamos também uma garrafa de 1,5 litros de Coca Cola no jantar.

Aprendi a lição. Do quinto arroz em diante o sal está sempre por perto e a primeira coisa que eu faço é experimentar o arroz. 🙂

Todo o casamento envolve uma preparação. Seja ele uma festa simples para amigos íntimos e família (que muitas vezes pode ser muito grande), seja ele uma festa grandiosa.

Durante anos e anos de namoro você mora com os seus pais. Tem casa, comida e roupa lavada. Tem computador, Internet e TV à cabo. Tem gato, cachorro e papagaio.
Durante estes anos, o seu grande sonho é poder morar junto da pessoa que você ama. Casar e construir uma família: a sua família. Com direito a tudo o que aprendemos com os nossos pais: carinho, respeito, amor, sinceridade, fidelidade, etc… E realmente é isso o que acontece.
Quando a decisão finalmente é tomada, você percebe que o que era para ser um conto de fadas vira uma “To Do List” sem fim:

– Vestido (o mais importante para toda noiva)
– Dia da Noiva
– Decoração e Buffet
– Convidados
– Lembrancinhas
– Foto e Filmagem
– Lua de Mel
– Comprar dólares
– Onde vou morar? Precisa reformar?
– Fazer a mudança

Fornecedores, fornecedores e mais fornecedores. A lista é sem fim e proporcional ao stress pré-casamento. Mas nada do que você passa nos preparativos para o seu casamento, te prepara para o que você terá que enfrentar depois da festa e da lua de mel.

A Vida de Casada é impagável – literalmente. A cada dia uma nova descoberta, a cada dia um pouquinho mais que vc sabe sobre o seu companheiro e a cada dia momentos que fazem você ver que tudo valeu à pena. Todo o stress, todo o nervoso e toda a ansiedade se pagam com momentos simples, que enquanto você morava com os seus pais você não sabia que existiriam, você não imaginava que ia passar e na verdade você não tinha com que se preocupar.

Desde uma panela de arroz com muito mais sal do que arroz até arremessar o tubo de creme dental pela janela sem perceber. A vida de casada é impagável.

E é por isso que eu decidi começar este blog. Porque eu amo meu marido, porque eu amo estar casada e porque cada dia desta nova vida é uma aventura.

Quem sou eu?


aventurasdecasada@gmail.com

Se cadastre para receber as atualizações do blog por email! ;)

Junte-se a 57 outros seguidores